Reforma Eleitoral: CONAMP publica folheto com 18 principais retrocessos existentes no PLC 112/21

HomeAMPROUncategorized

Reforma Eleitoral: CONAMP publica folheto com 18 principais retrocessos existentes no PLC 112/21

PRINCIPAIS RETROCESSOS NA PROPOSTA DE NOVO CÓDIGO ELEITORAL Tramita na Câmara dos Deputados, em regime de urgência, o projeto do novo Código Eleito

Ministério Público enaltece trabalho do Procurador de Justiça Charles Tadeu Anderson
Ministério Público propõe parceria com Corpo de Bombeiros de Rondônia
MP firmou TAC para regular realização de Exposição Agropecuária em São Miguel

PRINCIPAIS RETROCESSOS NA PROPOSTA DE NOVO CÓDIGO ELEITORAL

Tramita na Câmara dos Deputados, em regime de urgência, o projeto do novo Código Eleitoral com mais de 900 artigos.

Embora a proposta de unificação da legislação tenha avanços, alguns possíveis retrocessos precisam ser conhecidos e debatidos.

Conheça os principais retrocessos:

1- Reduz drasticamente os prazos de inelegibilidades criados pela Lei da Ficha Limpa ao limitar o prazo máximo em 8 anos “após a condenação” e não mais “após  o cumprimento da pena” (art. 181, V, VIII, § 1º e § 5º)

2- Blinda os candidatos de inelegibilidade infraconstitucional que surgem após o registro de candidatura, permitindo que candidatos ficha suja na data da eleição possam ser eleitos (art. 203, § 1º e art. 788).

3- Reduz o prazo para ajuizamento da maioria das ações eleitorais que coíbem os abusos, as condutas ilícitas e a corrupção, fixando em apenas 15 dias após a eleição, dificultando a investigação (arts. 615, §4º; 618; 623, §2º;
626, §2º e 627, § 3º).

4- Limita apenas para o ano eleitoral, a partir de 1º de janeiro, condutas vedadas aos agentes públicos que são consideradas graves (art. 616, I)

5- Limita o direito à informação de pesquisas eleitorais (art. 583).

6- Retira o poder regulamentar do Tribunal Superior Eleitoral sobre os procedimentos para prestação de contas partidárias e de campanha (art. 130).

7- Limita a atuação do Ministério Público e da Justiça Eleitoral na fiscalização e apreciação das prestações de contas dos Partidos (art. 69).

8- Permite que os partidos políticos contratem empresas privadas para analisar suas contas e informá-las à Justiça Eleitoral (art. 70).

9-Cria uma causa de inelegibilidade desproporcional de 5 anos para militares da União, dos Estados e do Distrito Federal, bem como membros do Ministério Público e Magistrados, enquanto os demais agentes públicos ou políticos só precisam se afastar 6 meses antes das eleições.

10- Exige para cassação do registro, mandato ou diploma a análise da gravidade da conduta, levando em consideração, entre outros elementos, o nexo causal entre a
conduta ilícita e o resultado da eleição, dificultando a aplicação da pena em caso de compra de votos, condutas vedadas, etc. (art. 631, V).

11- Admite a interposição imediata de agravo de instrumento contra decisões interlocutórias prejudicando a celeridade das ações eleitorais (arts. 846 ao 848).

12- Restringe o conceito de quitação eleitoral, permitindo que candidatos irregulares com o exercício do voto, com o atendimento de convocações ou mesmo com multa aplicada pela Justiça Eleitoral pendente, possam
concorrer (art. 734, § 2º)

13- Não considera mais inelegível o candidato condenado criminalmente que tenha sua pena substituída por restritiva de direitos, o que permite, desde que preenchidos os outros requisitos, candidatos condenados a
pena de até 4 anos possam concorrer (art. 181, § 3º)

14- Retira o caráter jurisdicional da prestação de contas dos Partidos, que passa ser processo administrativo, com prazo prescricional de 3 anos e ainda com exigência de quórum total nos Tribunais para julgamento (art.
69, § 12; art. 85, §1º, VIII e art. 90, § 2º, VI);

15- Limita a atuação do Ministério Público, nos processos de registro de candidatura não impugnados, às alegações dos Partidos e Candidatos e às diligências judiciais (art. 741, § 4º);

16- Prevê a posse do segundo colocado no caso de eleições do sistema majoritário simples, ou seja, para Senador e Prefeito em município com até 200 mil eleitores (art. 287, § 2º);

17- Retira a apresentação da prestação de contas dos partidos do Sistema SPCE da Justiça Eleitoral e passa para o Sistema SPDE da Receita Federal, que não tem as mesmas funcionalidades de detalhamento e fiscalização (art. 69); e

18- Revoga os crimes eleitorais no dia das eleições, como o uso de alto-falantes, aglomerações, boca de urna e transporte de eleitores, que passam a ser apenas infração cível punível com multa, dificultando o controle imediato das ilicitudes no dia da eleição (art. 221 e 568).

Clique aqui e confira a versão em PDF

Fonte: CONAMP