Promotor Éverson Antônio Pini participa de debate no IV Congresso Estadual do Judiciário

HomeAMPRO

Promotor Éverson Antônio Pini participa de debate no IV Congresso Estadual do Judiciário

O promotor de Justiça Éverson Antônio Pini, da 21ª Promotoria de Justiça, participou, recentemente, do IV Congresso Estadual do Judiciário, ocorrido n

Atos em repúdio à PEC que ameaça fragilizar atuação do MP são realizados em diversas comarcas de Rondônia
MP renova cooperação com instituições parceiras para conscientização sobre doação de medula óssea
Promotor Éverson Antônio Pini participa de audiência pública sobre políticas para o combate à violência física e sexual de crianças e adolescentes

O promotor de Justiça Éverson Antônio Pini, da 21ª Promotoria de Justiça, participou, recentemente, do IV Congresso Estadual do Judiciário, ocorrido no edifício-sede do Tribunal de Justiça de Rondônia (TJRO), em Porto Velho. Com o tema central sendo “O adolescente e a socioeducação”, o evento foi promovido pelo Poder Judiciário de Rondônia (PJRO), por meio da Vara Infracional e de Execução de Medidas Socioeducativas e da Escola da Magistratura de Rondônia (Emeron).

Éverson Pini e o chefe do Departamento de Orçamentos e Finanças do Ministério Público de Rondônia (MP-RO), Ivan Pimenta apresentaram um painel sobre “Orçamento e Socioeducação em Rondônia”. Pimenta explicou sobre o processo de formulação do orçamento e salientou a necessidade de que os atores da socioeducação participem ativamente da construção orçamentária junto à equipe técnica.

Pini ressaltou o “protagonismo forçado” do Ministério Público e do Judiciário. Ele explica que “é função do Executivo garantir a realização da socioeducação, mas, diante da falta de políticas públicas de massa, os entes da Justiça são impelidos a fomentar e, até mesmo obrigar, por meio das ações civis públicas, o cumprimento das atividades”. O promotor usou o exemplo da Acuda para afirmar que o Estado não deveria precisar de voluntários para promover atividades que são de sua responsabilidade. “Vivemos de heróis anônimos desenvolvendo trabalhos porque faltam políticas públicas”, afirmou.

O promotor também advertiu a necessidade de integração entre os entes do sistema de Justiça, Executivo e conselhos representativos para a construção coletiva de orçamentos que contemplem as necessidades da socioeducação e concitou os profissionais presentes a não apenas integrarem esta parte do processo, mas acompanharem ativamente a execução do orçamento.