MP obtém condenação por crimes de feminicídio e tentativa de homicídio em Cerejeiras

HomeAMPROUncategorized

MP obtém condenação por crimes de feminicídio e tentativa de homicídio em Cerejeiras

O Ministério Público de Rondônia obteve, no Tribunal do Júri de Cerejeiras, a condenação de um réu pela prática dos crimes de feminicídio e de ten

AMPRO articula de evento “Caravana pra Elas”, voltado para mulheres em situação de vulnerabilidade
Ministério Público abre edital para participação da sociedade no Fundo de Reconstituição de Bens Lesados
Contra representação em favor do estado de defesa, entidades do MP cobram reverência ao regime democrático, missão precípua do MP brasileiro

O Ministério Público de Rondônia obteve, no Tribunal do Júri de Cerejeiras, a condenação de um réu pela prática dos crimes de feminicídio e de tentativa de homicídio.

De acordo com a denúncia, os crimes aconteceram na manhã de 27 de abril de 2020. O denunciado, após pular o muro da casa das vítimas e permanecer horas esperando, matou a facadas sua ex-companheira, na frente da filha do ex-casal, uma criança de apenas cinco anos de idade, utilizando-se de recurso que impossibilitou a defesa da ofendida, pois a imobilizou e desferiu um golpe fatal em seu tórax. E, ainda, para garantir a execução do delito, tentou matar o cunhado, que interferiu no intuito de impedir a consumação do crime.
O julgamento ocorreu na última terça-feira (07/11), no Tribunal do Júri da Comarca de Cerejeiras e teve a atuação da Promotora de Justiça Analice da Silva, que pediu a condenação do acusado, nos termos da denúncia.
Em sua sustentação, a Promotora de Justiça falou diretamente aos jurados sobre os detalhes do crime, narrando a conduta do assassino, a forma como ele abordou as vítimas e praticou o homicídio.
Na ocasião, a integrante do Ministério Público destacou a frieza e crueldade do acusado, que tratava a esposa como objeto, manipulando-a e ameaçando-a, para depois concretizar seu desejo de matá-la.
O Conselho de Sentença acatou integralmente o entendimento do Ministério Público e o réu foi condenado a 38 anos e oito meses de reclusão, em regime fechado.
Fonte: MPRO/DCI – Departamento de Comunicação Integrada