MP obtém condenação por crimes de feminicídio e tentativa de homicídio em Cerejeiras

HomeAMPROUncategorized

MP obtém condenação por crimes de feminicídio e tentativa de homicídio em Cerejeiras

O Ministério Público de Rondônia obteve, no Tribunal do Júri de Cerejeiras, a condenação de um réu pela prática dos crimes de feminicídio e de ten

Primeiro Procurador-Geral de Justiça relembra cenário de criação do Ministério Público de Rondônia
Lideranças nacionais prestigiam reunião do conselho deliberativo da CONAMP
Presidente da CONAMP participa de podcast sobre a reforma administrativa

O Ministério Público de Rondônia obteve, no Tribunal do Júri de Cerejeiras, a condenação de um réu pela prática dos crimes de feminicídio e de tentativa de homicídio.

De acordo com a denúncia, os crimes aconteceram na manhã de 27 de abril de 2020. O denunciado, após pular o muro da casa das vítimas e permanecer horas esperando, matou a facadas sua ex-companheira, na frente da filha do ex-casal, uma criança de apenas cinco anos de idade, utilizando-se de recurso que impossibilitou a defesa da ofendida, pois a imobilizou e desferiu um golpe fatal em seu tórax. E, ainda, para garantir a execução do delito, tentou matar o cunhado, que interferiu no intuito de impedir a consumação do crime.
O julgamento ocorreu na última terça-feira (07/11), no Tribunal do Júri da Comarca de Cerejeiras e teve a atuação da Promotora de Justiça Analice da Silva, que pediu a condenação do acusado, nos termos da denúncia.
Em sua sustentação, a Promotora de Justiça falou diretamente aos jurados sobre os detalhes do crime, narrando a conduta do assassino, a forma como ele abordou as vítimas e praticou o homicídio.
Na ocasião, a integrante do Ministério Público destacou a frieza e crueldade do acusado, que tratava a esposa como objeto, manipulando-a e ameaçando-a, para depois concretizar seu desejo de matá-la.
O Conselho de Sentença acatou integralmente o entendimento do Ministério Público e o réu foi condenado a 38 anos e oito meses de reclusão, em regime fechado.
Fonte: MPRO/DCI – Departamento de Comunicação Integrada