HomeAMPRO

Membros do MP-RO participam de solenidade de inauguração do CRS em Ji-Paraná

Promover a ressocialização de apenados, esse é o objetivo do Centro de Reintegração Social (CRS) da Associação de Proteção e Assistência aos Condenado

Em Brasília (DF), Conamp faz visita ao presidente do Senado Davi Alcolumbre
Promotora Valéria Giumelli realiza evento de implantação do Fórum Estadual de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos
Programa de formação continuada é lançado pelo MP-RO nessa terça-feira (3)

Promover a ressocialização de apenados, esse é o objetivo do Centro de Reintegração Social (CRS) da Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac) de Ji-Paraná, inaugurado nesta segunda-feira (19). A solenidade de inauguração contou com a participação de membros do Ministério Público do Estado de Rondônia (MP-RO).

O diretor do Centro de Atividades Extrajudiciais e do Grupo de Ação Especial de Combate ao Crime Organizado (Caex/Gaeco) e procurador de Justiça Cláudio Wolff Harger representou o procurador-geral de Justiça do MP-RO, Airton Pedro Marin Filho, durante o evento.

Também estiveram presentes na solenidade a diretora do Centro de Apoio Operacional de Política Penitenciária e Execução Penal (CAOP-PPEP) e promotora de Justiça Andrea Waleska Nucini Bogo; e a promotora de Justiça da Execução Penal em Ji-Paraná Eiko Danielli Araki.

Pioneirismo

O CRS de Ji-Paraná é o primeiro da região norte, com capacidade para 40 apenados no regime fechado e 20 no semiaberto.

O centro é um novo modelo de ressocialização de condenados da Justiça que vem funcionando com êxito em 141 cidades de 14 estados brasileiros. Em média, o governo estadual tem um custo mensal de R$ 5 mil por condenado. No sistema do CRS, esse valor cai R$ 800,00.

*Com informações do MP-RO.