HomeAMPROUncategorized

A perpétua pela democracia

Manoel Murrieta* 10 de dezembro de 2020 | 06h30 O ano de 2020, no qual celebramos os 50 anos da Conamp (Associação Nacional dos Membros do Ministé

MP acompanha implementação de ações para regularizar áreas degradadas em Ouro Preto
Agosto Lilás: Ouvidoria das Mulheres do MPRO realiza campanha para estimular vítimas de violência a denunciarem agressores
Eleitor do Futuro: MP recebe jovens estudantes para um papo sobre direitos, cidadania e voto

Manoel Murrieta*
10 de dezembro de 2020 | 06h30

O ano de 2020, no qual celebramos os 50 anos da Conamp (Associação Nacional dos Membros do Ministério Público), ficará marcado por mudanças e desafios ímpares na história da entidade e da atuação dos membros do MP. Acrescido às transformações impostas pela pandemia de Covid-19 no Brasil, como a adoção abrupta do teletrabalho em todas as áreas, o cenário hostil de polarização política no país reforçou a importância da atuação firme dos Procuradores e Promotores de Justiça e da Conamp no combate à corrupção e criminalidade grave e, consequentemente, na proteção do Estado Democrático de Direito.

Há anos, o Brasil não vive sob um regime ditatorial, mas isso não significa que a democracia não esteja ameaçada. O ano de 2020, singular em face às adversidades enfrentadas, nos mostrou que a luta em prol da democracia é perpétua.

Estamos em uma época de discursos cada vez mais radicais, de ambos os lados, e enfrentamos desafios diversos, como a celeuma do inquérito das “fake news”, obstáculos como um movimento para o esvaziamento da forçatarefa da Lava jato, operação que é um marco no combate à corrupção no país, além de tentativas variadas de mudanças de normas e regras, até mesmo na Constituição. Em 2020, presenciamos, de fato, atos antidemocráticos com os ataques ao Supremo Tribunal Federal e outras instituições.

O momento conturbado mostra e reitera que a atuação do Ministério Público e de suas entidades representativas, como a Conamp, é essencial para a manutenção do regime democrático conquistado a duras penas em um passado recente. E os desafios para o seu fortalecimento continuam a despontar.

Atualmente, o estado de constante alerta e atenção da associação se volta para temas relevantes em andamento como a reforma da lei de improbidade administrativa, lavagem de dinheiro, reconhecimento à atividade de risco de Procuradores e Promotores de Justiça e prisão em segunda instância. Entre as pautas, uma salta aos olhos pelo caráter factual – a LGPD Penal.

Trata-se de uma legislação que promove mudanças importantes e necessárias para a proteção e dados e para a privacidade das pessoas, mas contém artigos que podem criar amarras para atuação do Ministério Público e representar retrocessos no combate à criminalidade grave no Brasil. É preciso salientar que, em sua versão atual, o anteprojeto sobre proteção de dados para investigação criminal favorece a impunidade o que, sem dúvida, vai na contramão dos anseios e interesses da população brasileira.

O texto atual, proposto por uma comissão de juristas, coloca obstáculos ao compartilhamento de dados do Coaf, Receita e Polícia Federal com o Ministério Público. Esse compartilhamento de dados é fundamental para a eficiência das investigações. Criar um muro instransponível como esse significa incentivar, principalmente, a criminalidade organizada.

O prejuízo não fica restrito às operações de combate à corrupção, como a Lava Jato. No âmbito estadual, a experiência exitosa de parceria dos Gaecos, grupos especializados de combate ao crime organizado, com as polícias também sairia perdendo.

Fica claro que os objetivos da nova lei, de proteger o direito à intimidade e privacidade dos investigados, não podem prejudicar a efetividade da persecução penal. Uma investigação bem feita garante direitos ao próprio investigado e a segurança das provas também evita injustiças.

É inaceitável permitir um retrocesso para as investigações e a supremacia para a impunidade. Esse é o dilema do texto que ainda será amplamente debatido e a Conamp, como faz historicamente em sua atuação cinquentenária, está apta a contribuir já que enxerga ser possível a adoção de metodologias que garantam privacidade e a intimidade. Isso não pode ser supervalorizado em detrimento do enfrentamento à criminalidade.

Meio século depois de sua criação, datada em 10 de dezembro 1970, a Conamp continua compromissada de forma firme e independente com o aperfeiçoamento institucional do Ministério Público e com a promoção e a defesa dos direitos e interesses gerais das carreiras dos promotores e procuradores de Justiça que, entre tantas atribuições constitucionais, também foram escolhidos pela Constituição como os defensores do Estado Democrático de Direito.

Ao completar 50 anos em meio a um cenário atual tão desafiador com crises sanitária e política simultâneas e com o Poder Judiciário sob pressão, a Conamp, entidade que representa mais de 16 mil Membros do Ministério Público em todo o Brasil, reforça a importância de suas funções e atribuições e comprova a sua capacidade de se reinventar para seguir com a contribuição histórica na defesa de pautas urgentes do sistema de Justiça em prol da sociedade brasileira.

*Manoel Murrieta é presidente da Conamp, promotor de Justiça do Estado do Pará e professor de Direito Processual Penal